KIT MÍDIA Contato

por: Marcio Nato Rodrigues - Curitiba(PR)

Data: 31/10/2017 às 09h41min - Atualizada em 31/10/2017 às 09h41min
..Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba (RMC) já tiveram recuperadas 47 toneladas de carnes roubadas em 2017, de acordo com balanço da Polícia Civil. A maioria das apreensões foi feita em açougues ou pequenos mercados, onde produtos comprados ilegalmente por seus donos eram colocados à venda.

Apenas no mês de outubro, nove ocorrências de roubo de carne foram registradas pela polícia. No ano, foram quatro grandes apreensões, com toneladas apreendidas em cada uma delas, segundo a Delegacia de Furtos e Roubos.

O último caso registrado foi no dia 25 de outubro, quando uma tonelada de carne foi apreendida em uma churrascaria na avenida das Torres, em Curitiba. Três pessoas foram presas em flagrante, incluindo o dono do restaurante. Segundo a polícia, a carga tinha sido roubada de um açougue, dias antes.

No dia 5 do mesmo mês, mais de 17 toneladas de carne foram apreendidas em um açougue no bairro São Braz. O produto era parte de uma carga roubada no mesmo dia, na BR-376, em São José dos Pinhais.

Segundo o Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Paraná (Setcepar), 27 dos 97 roubos a carga de Curitiba, de janeiro a agosto, foram a caminhões carregados com carne — o equivalente a 28% das ocorrências. É o segundo produto mais roubado na cidade, atrás apenas do cigarro, com 37 ocorrências.
O delegado Ademair Braga Junior destaca que, quase sempre quando roubadas, as carnes são transportadas sem qualquer cuidado de higiene ou conservação, o que provoca risco à saúde dos consumidores.

"Infelizmente, não há por parte do consumidor final a possibilidade de controle, ficando por parte dos órgãos públicos a responsabilidade de fiscalizar", diz o delegado.
Segundo a Vigilância Sanitária do Paraná, a fiscalização do comércio é de responsabilidade das secretarias municipais de Saúde, que devem verificar a procedência do produto — se ele tem o selo de inspeção fiscal, o armazenamento, a conservação, a higiene e a data de validade.

A partir disso, são tomadas as providências adequadas de acordo com o problema verificado, como multas ou, até mesmo, interdições cautelares, com a retirada dos produtos da área de venda.

Curitiba e RMC já registram 47 toneladas de carnes roubadas no ano