KIT MÍDIA Contato

por: Marcio Nato Rodrigues - Curitiba(PR)

Data: 24/01/2018 às 09h44min - Atualizada em 24/01/2018 às 09h44min
.. A falta de recursos públicos, que ameaçou a realização do Carnaval da capital paranaense, em 2017, deverá ser superada neste ano, de acordo com a Fundação Cultural de Curitiba (FCC). Em 2018, os gastos vão praticamente dobrar, em relação ao que foi liberado na última festa.

A prefeitura vai dispor de cerca de R$ 1 milhão para as comemorações, conforme a FCC.

O motivo para o carnaval enxuto em 2017, segundo a FCC, foi uma dívida que a instituição tinha e que passava de R$ 2 milhões.

Confome o diretor de ação cultural da Fundação, Beto Lanza, os problemas financeiros estão solucionados.

"Foi resolvido a partir do ajuste que a prefeitura fez. No segundo quadrimestre, fechamos o ano com as contas no azul", afirma. Segundo ele, também foram adotadas novas estratégias de gestão.

Recursos para o carnaval
Grupo Especial – R$ 400 mil – São cinco escolas de samba e cada uma receberá até R$ 80 mil
Grupo de Acesso – R$ 150 mil – São três escolas de samba e cada uma receberá até R$ 50 mil

Escola Ingressante – R$ 25 mil – Receberá até R$ 25 mil
Bloco Carnavalesco – R$ 20 mil – Edital previa quatro blocos, entretanto, apenas dois foram habilitados. Cada uma receberá até R$ 5 mil
Despesas de Infraestrutura – R$ 316,7 mil
Estrutura de apoio a atividades pré-carnavalescas – R$ 88,3 mil
No último Carnaval, foram liberados apenas R$ 539 mil, para serem distribuídos em recursos nas festas de pré-carnaval, desfile das escolas de samba, Psycho Carnival e Zombie Walk.

Naquela ocasião, o desfile ocorreu, mas as escolas de samba chegaram a suspender a disputa que fazem entre si, para garantir a festa.

Já o grupo Garibaldis e Sacis, que faz as principais festas de pré-carnaval, buscou alternativas para financiar as brincadeiras na cidade.


Um exemplo das mudanças de gestão foi com a abertura de patrocínios para eventos como a Oficina de Música, que chegou a ser suspensa em 2017.

"Esse centro de custo saiu da Fundação Cultural e vem de patrocínio", explica Lanza. Ainda de acordo com ele, o calendário de eventos patrocinados pela FCC neste ano já está todo fechado.

Bloco Garibaldis e Sacis se reúne no Centro Histórico de Curitiba (Foto: Samuel Nunes/G1) Bloco Garibaldis e Sacis se reúne no Centro Histórico de Curitiba (Foto: Samuel Nunes/G1)
Bloco Garibaldis e Sacis se reúne no Centro Histórico de Curitiba (Foto: Samuel Nunes/G1)
Verba não basta, dizem escolas
O diretor da FCC afirma que boa parte do dinheiro do Carnaval 2018 será usada para custear ações de infraestrutura das festas, como a instalação de arquibancadas para o desfile, instalação de banheiros químicos, ações de segurança entre outros.

Do total do dinheiro, cada escola de samba do Grupo Especial também deve receber cerca de R$ 80 mil.

As escolas, no entanto, dizem que esse valor não é suficiente para custear completamente os desfiles. Para isso, elas buscam alternativas, como a realização de festas e vendas de fantasias, para quem quer participar.

"A gente consegue uma ajuda de fora, porque a gente tem que pagar aluguel, barracão de alegorias, quadra de ensaios. A gente não consegue cobrir esses gastos com a verba pública", diz o presidente da Escola de Samba Imperatriz da Liberdade, Jefferson Pires.

Zombie Walk deve receber mais estrutura neste ano (Foto: Thais Kaniak / G1) Zombie Walk deve receber mais estrutura neste ano (Foto: Thais Kaniak / G1)
Zombie Walk deve receber mais estrutura neste ano (Foto: Thais Kaniak / G1)

Futuro
Para o presidente da Associação dos Sambistas e Ritmistas do Estado do Paraná, Fábio Antônio da Silva, as escolas precisam se organizar já neste ano, para garantir melhorias nas próximas edições do Carnaval curitibano.

Ele acredita que é necessário realizar parcerias com empresários, que ajudem a patrocinar o evento.

Ele diz que espera a ajuda do poder público, para intermediar a festa e afirma que há potencial para que o Carnaval cresça na cidade.

"No cinturão do Cajuru, até o CIC, tem muita gente de fora, do interior do Paraná", afirma Silva, que é natural do Rio de Janeiro.

Escolas de Samba de Curitiba
Escolas Grupo Especial

Acadêmicos da Realeza
Mocidade Azul
Embaixadores da Alegria
Leões da Mocidade
Imperatriz da Liberdade
Escolas Grupo de Acesso

Unidos de Pinhais
Império Real de Colombo
Internautas
Escola ingressante

Enamorados do Samba

Fonte: G1

Carnaval de Curitiba terá o dobro de verbas públicas em relação a 2017, diz Fundação Cultural