KIT MÍDIA Contato

por: Marcio Nato Rodrigues - Curitiba(PR)

Data: 23/01/2018 às 10h23min - Atualizada em 23/01/2018 às 10h23min
.. A Secretaria de Saúde de Curitiba adotou, neste segunda-feira (22), um rodízio de vacinas contra a febre amarela nos postos de saúde municipais.

A estratégia foi colocada em prática razão do aumento da procura e para evitar perdas de doses, segundo a prefeitura.

Cada um dos dez distritos sanitários de Curitiba terá uma ou duas unidades de saúde com vacinação de segunda a sexta-feira (exceto feriados). Nas demais, a imunização será feita ofertada em dias e horários estabelecidos no cronograma.

Em geral, o horário de vacinação é das 10h às 16h, mas cabe a cada unidade de saúde definir o horário para as aplicações.

“Cada frasco de vacina contém cinco doses e, depois de aberto, tem de ser utilizado em até seis horas, se não precisa ser descartado. Adotamos essa escala para que possamos usar integralmente nossos lotes de vacina”, explica a médica infectologista da Secretaria Municipal da Saúde Marion Burger.

A vacina é recomendada a pessoas saudáveis, com idade entre nove meses e 59 anos, que nunca se imunizaram contra a doença e com viagens programadas para áreas de contaminação, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No caso de viagens, a vacina precisa ser tomada pelo menos dez dias antes do embarque e é necessário apresentar documento de identificação e carteira de vacinação. Fora da faixa etária de nove meses a 59 anos é necessário apresentar também prescrição médica.

Histórico
Curitiba não tem circulação do vírus da febre amarela e por isso sempre foi considerada área sem recomendação de vacina. Também não tem notificação de morte de macacos por febre amarela. Por isso, a recomendação para a vacinação é para as pessoas que têm viagem programada.

No Brasil, desde 1942 só há casos de febre amarela silvestre. A doença não é contagiosa, ou seja, não há transmissão de pessoa a pessoa. É transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus.

Secretaria de Saúde de Curitiba adota rodízio de vacinas contra febre amarela