KIT MÍDIA Contato

por: Marcio Nato Rodrigues - Curitiba(PR)

Data: 12/09/2017 às 07h44min - Atualizada em 12/09/2017 às 07h44min
..

O show da vida mostra relíquias da corrida espacial, encontradas no fundo do mar. São peças de uma nave que viajou para a Lua há mais de 40 anos.



Aliás, falando em Lua, sabia que tem corretores vendendo terrenos por lá? Parece mentira, mas muita gente já comprou.



Um robô mergulha a 4.200 metros no Oceano Pacífico. A missão é resgatar dois motores de um foguete que participou do início da exploração da Lua.



Essas peças podem ter se soltado da Apollo 11, e caíram no mar de uma altura de 64 quilômetros.



 Os motores agora estão em um museu. Tudo financiado por um empresário.



Quando o primeiro homem chegou à Lua, Jeff Bezos tinha só cinco anos. Mas as imagens que em 1969 pararam o mundo foram inspiradoras. Bezos ficou milionário fazendo negócios na internet.



E pôde bancar a expedição, que em março reencontrou parte da história da corrida espacial americana.



Onze toneladas de metal foram levadas para o respeitado museu Cosmosphere, em Hutchinson, no estado do Kansas.



Originalmente cada motor desse tipo tinha seis metros de comprimento, quatro de largura e pesava oito toneladas.



As peças ficaram no fundo do oceano por mais de 40 anos. Agora, a principal missão dos especialistas é interromper o processo de corrosão provocado pela água do mar. E esse trabalho deve levar pelo menos dois anos.



Richard Hollowell é o responsável pela restauração. Ele explica que os motores foram doados para a NASA. E que os engenheiros do museu estão tentando descobrir em qual das missões Apollo eles foram usados. "É emocionante saber que você tem uma peça tão importante da história aqui e que estaria perdida para sempre no fundo do mar", declara.       



Dennis Hope também teve a vida marcada pelas imagens da chegada do homem à Lua: ele se tornou um corretor do espaço. “Sim, nós vendemos terrenos na Lua, e também em Marte, Vênus e Mercúrio”, diz Dennis.



Dennis Hope teve a brilhante ideia, depois de quase ir à falência e de um divórcio. “Em 1980 eu mandei um documento para as Nações Unidas reivindicando a posse da Lua e de mais oito planetas. O documento dizia que se a ONU tivesse algo contra deveria entrar em contato comigo. Até hoje ninguém nunca ligou ou escreveu”, conta Dennis.    



Dennis montou uma imobiliária no centro de Rio Vista, na Califórnia, com seis funcionários. Ele conta que chegou a vender até 1.500 terrenos na Lua por dia.



Sabe quanto é que esse ex-ventríloquo diz que já faturou com essa brincadeira? O equivalente a R$ 22 milhões.



A documentação, ele mesmo despacha pelos correios. “George Lucas, Tom Hanks, Tom Cruise, Nicole Kidman, John Travolta, Clint Eastwood... Não me lembro do nome dele, mas um governador brasileiro virou proprietário lunar”, enumera Dennis.



O primeiro passo para esta gente toda tomar posse da propriedade lunar já foi dado. No estado do Novo México ficou pronto um “espaçoporto” para decolagem de naves que vão fazer viagens comerciais ao espaço.



Quase 600 futuros passageiros já depositaram o equivalente a R$ 140 milhões de adiantamento nas contas da empresa. O primeiro vôo está prometido para o Natal deste ano.



Fonte: G1



Homem fatura R$ 22 milhões vendendo terrenos na Lua