KIT MÍDIA Contato

por: Jhenifer Lorena Vieira - Curitiba(PR)

Data: 04/10/2016 às 12h03min - Atualizada em 04/10/2016 às 12h03min
..

O Colégio Estadual Arnaldo Jansen, no Centro de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, está com as aulas suspensas. Estudantes que participam de um movimento contra as mudanças propostas pelo Governo Federal na reforma do ensino médio ocuparam o colégio e prometem deixá-lo apenas com a suspensão da Medida Provisória (MP).



Por volta das 19 horas, 200 estudantes participaram da ocupação. Durante a madrugada, muitos deixaram o local, mas o movimento afirma que não informará em quantos estudantes o grupo se mantém dentro do prédio da escola.



A porta-voz da organização Mariana da Silva Gomiera disse, em entrevista à Banda B, que a medida foi tomada após uma assembleia com os estudantes do ensino médio. “Sexta-feira passada tivemos uma assembleia, um debate, em frente ao Colégio Silveira da Mota, também aqui em São José, que juntou 27 colégios estaduais do total de 30 que tem na cidade, foram 400 alunos. Fizemos uma votação e decidimos pela ocupação”, descreveu.



Além de estudantes de São José dos Pinhais, integram o grupo secundaristas de Curitiba, Colombo e outras cidades do interior do Paraná, segundo a organização. O grupo decidiu que a desocupação do colégio acontecerá somente com a revogação da Medida Provisória.



“Quero deixar meu bem claro que é uma organização somente de estudantes, sem movimentos partidários, estudantis, políticos. Estamos contando com ajuda, claro, de muitas partes, mas sem erguer nenhuma bandeira aqui dentro”, explica Mariana. Para eles, o objetivo é fazer crescer o movimento.



Durante o dia de hoje, os estudantes farão panfletagem das escolas da região; amanhã (5) haverá assembleia de estudantes e professores na Praça Getúlio Vargas e assembleia geral dos estudantes na sexta-feira (07), também na Praça Getulio Vargas, no fim da tarde.



Reforma ensino médio



Anunciada há duas semanas, essa é a maior reforma na educação em 20 anos. A Medida Provisória (MP) determina que o conteúdo obrigatório seja diminuído para privilegiar cinco áreas de concentração: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.



Entre os conteúdos que deixam de ser obrigatórios nesta fase de ensino estão artes, educação física, filosofia e sociologia. Entretanto, o conteúdo dessas disciplinas não será propriamente eliminado, mas o que será ensinado de cada uma delas dependerá do que estiver dentro do conteúdo obrigatório previsto na futura Base Nacional Comum Curricular (BNCC).



Outro destaque na mudança é o aumento da carga horária. Ela deve ser ampliada progressivamente até atingir 1,4 mil horas anuais. Atualmente, o total é de 800, de acordo com o MEC.



Movimento



Para os estudantes do movimento que ocupou o Colégio Estadual Arnaldo Jansen, a Medida Provisória quer ‘diminuir os gastos do Estado através da precarização do ensino público, retirando matérias que promovem a criatividade e o pensamento crítico social. A medida também vai aumentar a carga horária de 800 para 1400 horas/ano, que podem ser substituídos por horas trabalhadas. Além do prejuízo direto aos estudantes, a MP atinge diretamente aos professores, retirando a obrigatoriedade da licenciatura para a prática docente”.



APP



Nesta quarta-feira (4) acontece o Dia de Luta para a educação e a APP-Sindicato vai se juntar com os estudantes em repúdio à reforma do ensino médio. “Por meio de uma Medida Provisória, já está valendo, antes mesmo de ser votada pelo Congresso Nacional. Os trabalhadores em educação do país e também os estudantes consideram que essa reforma é um prejuízo muito grande para os nossos jovens. Por isso, vamos fazer esse movimento que intitulamos de ‘Escola na Rua’ porque vamos fazer várias panfletagens e atividades em frente às escolas.



Estudantes ocupam escola pública de São José dos Pinhais contra reforma do ensino médio